“Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas”, de José Saramago com capa caligrafada por José Luís Peixoto

Fica assim completa a coleção de obras de José Saramago para cujos títulos várias personalidades da cultura de língua portuguesa emprestaram a sua letra.

Aquando da sua morte, em 2010, José Saramago deixou escritas trinta páginas daquele que seria o seu próximo romance; trinta páginas onde estava já esboçado o fio argumental, perfilados os dois protagonistas e, sobretudo, colocadas as perguntas que interessavam à sua permanente e comprometida vocação de agitar consciências. Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas, o título que começou por ser uma epígrafe, evoca a tragicomédia Exortação da Guerra, de Gil Vicente.

Dois textos – de Fernando Gómez Aguilera e Roberto Saviano – situam e comentam as últimas palavras em papel do Prémio Nobel português, cuja força as ilustrações de um outro Nobel, Günter Grass, sublinham.

A questão da «responsabilidade ética do sujeito, para consigo próprio e para com a sociedade» continua hoje tão pertinente (ou mais) quanto há catorze anos, quando foi explorada nestas páginas. Tomando como argumento «o mundo inóspito e lacerante» da produção e do uso de armas, Saramago alinhava aqui «um romance de ideias com uma forte componente de reivindicação e provocação», nas palavras de Fernando Gómez Aguilera. Uma narrativa de extrema atualidade, que aponta o dedo à importância de estarmos ou não estarmos «dentro das coisas»: de termos capacidade de análise crítica e de combate ao status quo da mediocridade, da corrupção, do abuso de poder.

Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas
Saramago escreve a história de Artur Paz Semedo, um homem fascinado por peças de artilharia, empregado numa fábrica de armamento, que leva a cabo uma investigação na sua própria empresa, incitado pela ex-mulher, uma mulher com carácter, pacifista e inteligente. A evolução do pensamento do protagonista permite-nos refletir sobre o lado mais sujo da política internacional, um mundo de interesses ocultos que subjaz à maior parte dos conflitos bélicos do século xx.

Alabardas, alabardas, Espingardas, espingardas
José Saramago
Porto Editora

You May Also Like

Tendências: Solar Glow da Mango

Tendências: coleção Beachwear da Tezenis

Casino Lisboa estreia “La La… Boom!” com entrada livre no Arena Lounge

Estoril Sol lança 27ª edição do Prémio Fernando Namora para eleger o melhor romance publicado em 2023

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt