Os livros preferidos de David Bowie

Poucos artistas fizeram a diferença, não só no panorama musical, mas também artístico e cultural, de uma forma tão marcante e relevante como David Bowie. Cantor, compositor e ator, Bowie tinha, acima de tudo, a capacidade de se reinventar a cada álbum que fazia. Esta transformação regular levou a que fosse muitas vezes apelidado de camaleão.
Cada trabalho discográfico do artista britânico contava uma história, com personagens que o próprio criava e interpretava. Gostava de as contar e gostava de lê-las, refere o site www.bertrand.pt/blogue.

A paixão de David Bowie por livros era bem conhecida. Em 1976, levou consigo quatrocentos livros quando foi para o México gravar The Man Who To Earth, inaugurando a tradição de levar algumas caixas de livros sempre que ia em digressão.

Em 2013, foi organizada uma exposição dedicada ao músico, exibida na Art Gallery of Ontario , no Canadá. Os curadores da exposição, quando avaliaram que objetos de David Bowie utilizar, decidiram que fazia sentido incluir também livros do acervo do músico. Dessas escolhas resultou uma lista de cem livros recomendados por David Bowie de entre os quais destacamos:

Ilíada, de Homero
Um dos maiores poemas épicos da Grécia Antiga, a Ilíada, cuja autoria é atribuída a Homero, é considerada a obra que criou a literatura europeia.
Neste livro, Homero fala dos acontecimentos que ocorreram durante o décimo ano da guerra de Tróia, a fim de contar a ira, o heroísmo e as aventuras de Aquiles, em luta contra Agamémnon.
Apesar de se atribuir a autoria a Homero, na verdade não se sabe ao certo quem foi nem que vida teve. Há, aliás, quem discuta se ele terá realmente existido.

Madame Bovary, de Gustave Flaubert
Madame Bovary é, sem dúvida, a obra mais marcante de Gustave Flaubert, escritor francês do século XIX. É, também, um dos principais títulos da lista de David Bowie .
Publicado originalmente em 1857, gerou grande polémica, graças aos temas que aborda. Neste livro, a personagem Emma Bovary sente-se presa e aborrecida e procura no adultério um forma de escapar à vida que tem.
Na época em que foi publicado, o livro despertou tanta revolta que Flaubert chegou a ir a tribunal, acusado de atentado à moral.

O Estrangeiro, de Albert Camus
O romance do Nobel da Literatura de 1957 é mais uma das escolhas de David Bowie.
O livro de Albert Camus foi originalmente publicado em 1942 e questiona o sentido da existência. A obra relata a história de Meursault, que recebe um telegrama a dar conta da morte da mãe. De regresso a casa, após o funeral, Meursault torna-se amigo de um vizinho de práticas duvidosas, reencontra uma antiga colega de trabalho com quem se envolve, vai à praia – até que ocorre um homicídio.
O livro já foi duas vezes adaptado para cinema. A primeira, em 1967, por Luchino Visconti, e em 2001, por Zeki Demirkubuz.

O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald
É provável que esta seja a obra mais notável de F. Scott Fitzgerald. Quando foi publicada pela primeira vez, O Grande Gatsby não teve sucesso, a nível de vendas.
Com uma personagem peculiar como estrela, Gatsby reflete os chamados Loucos Anos 20. Nota-se também muita influência do ambiente vivido em Paris, onde Fitzgerald escreveu a história.
O livro foi adaptado para teatro e cinema. A mais recente adaptação, em 2013, conta com Leonardo DiCaprio no papel de Gatsby. Veja o trailer aqui .

Lolita, de Vladimir Nabokov
Publicado pela primeira vez em 1955, Lolita gerou desde logo grande controvérsia. Talvez por isso, ainda seja a obra mais conhecida de Nabokov.
O livro conta a história de Humbert, professor universitário de meia-idade, e da obsessão que este desenvolve por Lolita, de 12 anos.
Polémicas à parte, o livro já foi por diversas vezes adaptado ao cinema e é considerado um dos grandes clássicos da literatura do século XX.

1984, de George Orwell
Apesar de ter sido publicado inicialmente em 1949, o livro de George Orwell mantém-se atual e obrigatório. David Bowie iria certamente concordar.
Passado numa realidade distópica, 1984 oferece uma crítica aos sistemas totalitários.
Este livro é, talvez, aquele que tem uma influência mais evidente na música de David Bowie. O álbum “Diamond Dogs”, de 1974, inclui temas como “ 1984 ” e “ Big Brother “, o que mostra de forma clara a influência que a obra teve no músico.

A Sangue Frio, de Truman Capote
Considerada uma das obras que criou o conceito e género de Jornalismo Literário, A Sangue Frio conta a história do terrível crime que ocorreu em Holcomb, no estado norte-americano do Kansas. Em 1959, a família Clutter foi assassinada em casa e Truman Capote investigou o homicídio, tendo, em 1965, conseguido publicar toda a história, em quatro partes, na revista The New Yorker.
Além do foco na história da família e no crime, Capote também se focou muito nos assassinos e nos seus motivos. A obra, que mistura, com mestria, jornalismo de investigação e literatura, ainda hoje é considerada leitura obrigatória para os amantes da literatura de não-ficção.

Lista completa dos livros recomendados por David Bowie:
Interviews With Francis Bacon by David Sylvester
Billy Liar by Keith Waterhouse
Room At The Top by John Braine
On Having No Head by Douglass Harding
Kafka Was The Rage by Anatole Broyard
A Clockwork Orange by Anthony Burgess
City Of Night by John Rechy
The Brief Wondrous Life Of Oscar Wao by Junot Diaz
Madame Bovary by Gustave Flaubert
Iliad by Homer
As I Lay Dying by William Faulkner
Tadanori Yokoo by Tadanori Yokoo
Berlin Alexanderplatz by Alfred Döblin
Inside The Whale And Other Essays by George Orwell
Mr. Norris Changes Trains by Christopher Isherwood
Halls Dictionary Of Subjects And Symbols In Art by James A. Hall
David Bomberg by Richard Cork
Blast by Wyndham Lewis
Passing by Nella Larson
Beyond The Brillo Box by Arthur C. Danto
The Origin Of Consciousness In The Breakdown Of The Bicameral Mind by Julian Jaynes
In Bluebeard’s Castle by George Steiner
Hawksmoor by Peter Ackroyd
The Divided Self by R. D. Laing
The Stranger by Albert Camus
Infants Of The Spring by Wallace Thurman
The Quest For Christa T by Christa Wolf
The Songlines by Bruce Chatwin
Nights At The Circus by Angela Carter
The Master And Margarita by Mikhail Bulgakov
The Prime Of Miss Jean Brodie by Muriel Spark
Lolita by Vladimir Nabokov
Herzog by Saul Bellow
Puckoon by Spike Milligan
Black Boy by Richard Wright
The Great Gatsby by F. Scott Fitzgerald
The Sailor Who Fell From Grace With The Sea by Yukio Mishima
Darkness At Noon by Arthur Koestler
The Waste Land by T.S. Elliot
McTeague by Frank Norris
Money by Martin Amis
The Outsider by Colin Wilson
Strange People by Frank Edwards
English Journey by J.B. Priestley
A Confederacy Of Dunces by John Kennedy Toole
The Day Of The Locust by Nathanael West
1984 by George Orwell
The Life And Times Of Little Richard by Charles White
Awopbopaloobop Alopbamboom: The Golden Age of Rock by Nik Cohn
Mystery Train by Greil Marcus
Beano (comic, ’50s)
Raw (comic, ’80s)
White Noise by Don DeLillo
Sweet Soul Music: Rhythm And Blues And The Southern Dream Of Freedom by Peter Guralnick
Silence: Lectures And Writing by John Cage
Writers At Work: The Paris Review Interviews edited by Malcolm Cowley
The Sound Of The City: The Rise Of Rock And Roll by Charlie Gillette
Octobriana And The Russian Underground by Peter Sadecky
The Street by Ann Petry
Wonder Boys by Michael Chabon
Last Exit To Brooklyn By Hubert Selby, Jr.
A People’s History Of The United States by Howard Zinn
The Age Of American Unreason by Susan Jacoby
Metropolitan Life by Fran Lebowitz
The Coast Of Utopia by Tom Stoppard
The Bridge by Hart Crane
All The Emperor’s Horses by David Kidd
Fingersmith by Sarah Waters
Earthly Powers by Anthony Burgess
The 42nd Parallel by John Dos Passos
Tales Of Beatnik Glory by Ed Saunders
The Bird Artist by Howard Norman
Nowhere To Run The Story Of Soul Music by Gerri Hirshey
Before The Deluge by Otto Friedrich
Sexual Personae: Art And Decadence From Nefertiti To Emily Dickinson by Camille Paglia
The American Way Of Death by Jessica Mitford
In Cold Blood by Truman Capote
Lady Chatterly’s Lover by D.H. Lawrence
Teenage by Jon Savage
Vile Bodies by Evelyn Waugh
The Hidden Persuaders by Vance Packard
The Fire Next Time by James Baldwin
Viz (comic, early ’80s)
Private Eye (satirical magazine, ’60s – ’80s)
Selected Poems by Frank O’Hara
The Trial Of Henry Kissinger by Christopher Hitchens
Flaubert’s Parrot by Julian Barnes
Maldoror by Comte de Lautréamont
On The Road by Jack Kerouac
Mr. Wilson’s Cabinet of Wonder by Lawrence Weschler
Zanoni by Edward Bulwer-Lytton
Transcendental Magic, Its Doctrine and Ritual by Eliphas Lévi
The Gnostic Gospels by Elaine Pagels
The Leopard by Giuseppe Di Lampedusa
Inferno by Dante Alighieri
A Grave For A Dolphin by Alberto Denti di Pirajno
The Insult by Rupert Thomson
In Between The Sheets by Ian McEwan
A People’s Tragedy by Orlando Figes
Journey Into The Whirlwind by Eugenia Ginzburg

You May Also Like

A minha vida num disco: Ricardo Agostinho do site [ar.cai.co]

A minha vida num disco: João Vairinhos

A minha vida num disco: Nuno Miranda da Gruesome Records

À conversa com o músico João Spencer dos Mazarin

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt