ModaLisboa Legacy – Dia I

ModaLsboa_Legacy-Alexandra_Moura1-LookMag_pt00

Durante três dias a capital portuguesa ganhou nova vida com a realização da edição da ModaLisboa Legacy. No Páteo da Galé a azáfama foi uma constante entre desfiles de grandes nomes e a apresentação das novas promessas da moda nacional.

Sangue Novo: Olga Noronha > Catarina Oliveira > Banda > Rua 148 > Inês Duvale

A 43.ª ModaLisboa Legacy começou com as coleções dos jovens designers da plataforma Sangue Novo, cujo talento surpreendeu o público com as apresentação das criações de Olga Noronha, seguida de Catarina Oliveira, duas repetentes da plataforma. Depois foi a vez das duplas Banda e Rua 148, seguidas das jovens Inês Duvale, Juliana Cunha, Nair Xavier e de Cristina Real.

Sangue Novo: Juliana Cunha > Nair Xavier > Cristina Real > Andrea Lazzari > Joaquim Correia

Andrea Lazzari, o italiano convidado no âmbito da parceria da ModaLisboa com o festival de moda holandês FashionClash, foi o penúltimo a fazer desfilar a sua coleção. A fechar esta montra do talento nacional esteve o madeirense Joaquim Correia. Após algumas palavras de Eduarda Abbondanza foi anunciado que a coleção escolhida para participar no festival de moda holandês FashionClash, foi “Karma” de Inês Duvale.

Alexandra Moura

A coleção primavera/verão 2015 de Alexandra Moura foi subordinada ao tema “Interverter”, indo a estilista buscar inspiração ao lema “E de repente a vida vira do avesso…e descubro que o avesso é o lado certo!” Alexandra Moura apresentou uma coleção que vive de exercícios de construção/desconstrução mas também das subtilezas do comportamento dos diferentes materiais, dos acabamentos cuidados e os detalhes pensados. O corpo, seja completo ou em partes, arroga-se como o grandioso estímulo ao desenho e à busca das formas. Uma vez mais, o universo de duplicidades alimenta-se através da oposição intencional dos conceitos: Interior – exterior; Direito – avesso; Parte – todo; Montar – desmontar; Fazer – desfazer; Subtrair – adicionar.

As silhuetas que surgiram na passerelle mostraram um conjunto de ações de desconstrução apensas ao processo construtivo de uma peça, aumentando a perceção da construção e da forma. O conceito ”Interverter” surgia através das sobreposições, das transparências, das assimetrias, dos elásticos e pela inversão do direito com avesso.

Ricardo Preto

“Contemporary Warriors” foi o nome que Ricardo Preto deu à sua coleção, toda ela destinada às mulheres modernas, citadinas e urbanas. O estilista pensou na mulher guerreira contemporâneas, que habita num mundo alucinante a um ritmo ainda mais acelerado. O seu maior desejo é percorrer o caminho de uma forma mais calma. O seu maior sonho é esquecer o mundo por breves momentos e simplesmente descansar.

Pela passerelle da ModaLisboa Legacy desfilaram propostas com influência e inspiração militar, tanto nos tons terra, verdes, como nos camuflados. Detalhe dos tradicionais lenços portugueses, as franjas fizeram a ligação entre o tradicional e o moderno, baseando a sua inspiração no fado tão português.

https://lookmag.pt/blog/modalisboa-legacy/

Texto: Sandra Pinto
Fotos: Joaquim Machado

You May Also Like

MANGO cria coleção solidária com Fundação Fero

MUJI apresenta um mundo de novidades para o Outono

A coleção Snoopy X Tezenis chegou para animar os dias mais frios

Glitterholic para um big bang no final do ano

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt