“Amália nas Suas Palavras” de Manuel da Fonseca

Numa edição conjunta com as Edições Nelson de Matos, e com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e do Museu do Fado, é finalmente revelado o conteúdo das mais de 9 horas de gravações tendo Amália Rodrigues como protagonista e o escritor Manuel da Fonseca como interlocutor. Amália nas Suas Palavras é a transcrição integral dessas conversas realizadas em três momentos distintos.

O encadeamento original das perguntas e respostas — num «itinerário errático de um diálogo informal», como nos explica Rui Vieira Nery no prefácio da obra —, os saltos cronológicos, as mudanças de tema, as associações imprevistas, as interferências externas, os pontos mortos ou até as graças ocasionais aqui contidas dão um encanto singular a esta obra que nenhum outro ensaio biográfico anterior pode reclamar para si.

Nesta espécie de coreografia a dois há, no entanto, três tópicos centrais «em relação aos quais o texto nos presta informações relevantes, e por vezes inéditas»: a infância dura da artista, a relação de Amália com o fado e as opções políticas de Amália. «O produto final é uma Amália na primeira pessoa, em discurso direto, sem segundas leituras ou interpretações», como frisa Pedro Castanheira, responsável pela transcrição e notas.

Em 1973, a Editora Arcádia encarregou o escritor Manuel da Fonseca de escrever uma biografia de Amália Rodrigues. A ideia parecia genial — pôr um escritor famoso e conhecido pela sua militância comunista a traçar o perfil daquela que era então considerada o ícone do Fado e um dos «pilares» da propaganda do Regime. Essa biografia nunca foi escrita, mas ficaram gravadas longas horas de conversa entre os dois, quer na casa da Rua de São Bento, quer na herdade que Amália tinha no Brejão. Entretanto, a Arcádia acabou e as gravações ficaram esquecidas. Até hoje…

Sobre o autor

Manuel da Fonseca nasceu em Santiago do Cacém, em outubro de 1911. Poeta, romancista, contista e cronista, foi uma das figuras centrais do movimento neorrealista. A sua obra poética, o livro de contos O Fogo e as Cinzas, e os romances Cerromaior e Seara de Vento destacam-se numa produção literária que teve sempre o Alentejo como pano de fundo. Faleceu a 11 de março de 1993, aos 81 anos.

“Amália nas Suas Palavras”
Manuel da Fonseca
Porto Editora

You May Also Like

Vamos falar de chocolate com Pedro Araújo, Mestre de Chocolate da Vinte Vinte

“Uma Vida no Nosso Planeta”, de David Attenborough

“Uma terra prometida”, de Barack Obama

Bushmills desafia a saborear o seu tempo

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt