A minha vida num disco: Ricardo Queluz da União Audiovisual

Enquanto técnico de som, Ricardo Queluz vive no meio da música. Enquanto profissional freelancer Ricardo Queluz pertence ao grupo dos profissionais da cultura que mais têm vindo a sofrer com a covid-19. Enquanto cidadão atento aos problemas que o rodeiam, Ricardo Queluz é, desde o primeiro momento, um dos elementos do grupo União Audiovisual criado para ajudar aqueles que, como ele, viram a sua virada parada, suspensa e cancelada devido à pandemia. É um gosto muito grande contar com a participação de Ricardo Queluz nesta rubrica, onde nos revela não um, mas dois dos discos da sua vida.

A minha vida num disco: Ricardo Queluz da União Audiovisual

Hoje tenho a certeza que os dois álbuns da minha vida são o ARISE de Sepultura e o OCTOBER RUST de Type o Negative. Foram, certamente, os álbuns que ouvi mais vezes até hoje. Ambos têm uma história engraçada porque para os obter na altura em que eles saíram andei umas duas ou três semanas a chatear os senhores da loja de vinis para os comprar.
Todos os dias passava na loja e perguntava: «já chegou?», no dia seguinte voltava lá e repetia: «então e hoje já chegou?». Chegou ao ponto de os responsáveis da loja ficarem a saber perfeitamente quem eu era, e assim que entrava na loja, sem nada perguntar, eles já diziam: «ainda não tenho o disco, deve estar a chegar mais dia menos dia».

You May Also Like

A minha vida num disco: Ricardo Agostinho do site [ar.cai.co]

A minha vida num disco: João Vairinhos

A minha vida num disco: Nuno Miranda da Gruesome Records

À conversa com o músico João Spencer dos Mazarin

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt