Yo La Tengo na Aula Magna

Nasceram em 1984 na cidade de Hoboken, em Nova Jérsia, nos Estados Unidos da América, e ao longo dos anos transformaram-se numa das mais influentes bandas alternativas do mundo.

São três os músicos que compõem os Yo La Tengo, Ira Kaplan, Georgia Hubley, mulher de Ira, e James McNew. Na noite que pela primeira vez os vimos ao vivo deram um concerto surpreendente na Aula Magna…bom, talvez devêssemos dizer dois, tal a diferença entre as duas partes que compuseram a noite!

Tudo começou pouco depois da hora agendada. Aula Magna composta no que a público diz respeito, suaves luzes de palco acesas e no palco os três músicos que arrancaram de imediato com “Ohm”, a música que inicia o mais recente registo de originais da banda, “Fade” lançado já em 2013.

Aquela que mais tarde percebemos ser a primeira parte do concerto recebeu uma interpretação acústica das canções da banda, numa “setlist” composta por músicas do último trabalho, o décimo terceiro da sua discografia, intercaladas com outras mais antigas, inclusive duas que fizeram parte do concerto que deram no nosso país no ido ano de 1992.

Atrás dos músicos o cenários era composto por três árvores. Uma imagem de harmonia que serviu de pano de fundo à música também ela harmoniosa dos Yo La Tengo…pelo menos na primeira metade do concerto, pois na segunda…já lá iremos!

Guitarras acústicas, baixo, bateria e pontuais teclados trazem até aos nossos ouvidos “Two Trains” (Fade), “Demons” (do filme “Shot Andy Warhol”, 1995), “Gentle Hour” (dos Snapper), “The Point of It” e “I’ll Be Around” (de Fade). Nas vozes e nos instrumentos os três músicos vão alternando.

O intervalo de alguns minutos serviu para por conversas e impressões em dia sobre uma banda que tem deixado a sua marca no universo da música e que não parece de todo acusar os anos de vida que efetivamente já tem. Cheios de garra, demonstraram ter ainda muito para dar, algo que já tínhamos constatado com a audição atenta de “Fade”, um trabalho que veio não só surpreender o público fiel da banda norte-americana, mas também outros ouvidos pouco habituados aos som de Ira e companhia.

E hei-nos na segunda parte, para a qual garantidamente muito não estravam preparados…No desenrolar das músicas vieram-nos à cabeças os Sonic Youth, numa agitação elétrica que não deixou ninguém indiferente!

Primeiro a suave “Nothing to Hide”, do trabalho Popular Songs (2009) que em palco perde a suavidade toda, graças às mãos de Ira Kaplan que atacam as inúmeras guitarras que lhe vão sendo entregues com uma energia voraz rumo à total distorção. Depois chega “Before We Run”, de Fade, interpretada num crescendo (a música que no regresso a casa passou no rádio arrancando um espantado “nem parece a mesma que acabámos de ouvir” a um dos membros da equipa Look Mag).

No alinhamento seguiram-se “Sudden Organ”, de “Painful”, de 1993, interpretado por um Ira em fúria absoluta, a bonita “Is That Enough”, de “Fade”, ali levada ao limite da emoção e “Tom Courtenay”, de 1995. Já não sabemos se foi nesta altura ou antes, tal a espiral de emoções pela qual estávamos a passar, que Ira lançou um raivoso “estou de camisola vermelha! Não somos uma banda gótica! Acendam as luzes!”, que deixou certamente alguém a pensar que não fez o trabalho bem feito…

Se as cadeiras da Aula Magna fossem um pouco mais confortáveis, talvez não sentíssemos nesta altura do concerto que dávamos tudo para estar de pé…compensou o desconforto o facto de no palco o Yo La Tengo estarem a interpretar ferverosamente “Little Honda”, de 1998, seguida de “Ohm” que surgia agora numa versão bem mais elétrica do que a da primeira parte e que se prolongou e bem no tempo, tal como no tempo se prolongou a interpretação de “Pass The Hatchet, I Think I’m Goodkind”, de 2006. Cerca de uns impressionantes 15 minutos onde o baixo de James McNew se manteve roboticamente impecável! Impressionante mesmo!

Antes dos dois encores que decorreram tipo discos pedidos, tempo para “Frenzy”, de 1966, e “Big Day Coming”, de 2005. Na verdade, Ira Kaplan teve razão quando respondeu a uma pessoa do público que pedia a canção “The Story of Yo La Tango”, com um “este concerto já é a história dos Yo La Tengo”.
E que história, ou melhor, que concerto!

Texto: Sandra Pinto
Fotos: Vitor Barros

You May Also Like

Dia 13 de Outubro. Podia ser uma sexta-feira, mas não foi. Dia 13 de Outubro foi um sábado. O mesmo sábado que o Indiegente ganhou vida.

Indiegente Live 2019 toma conta do LAV no dia 19 de Outubro

Mão Morta no LAV não há frio que nos derrube

Auditório do Casino Estoril recebe Romeu & Julieta – Do Ódio ao Amor

Foreign Poetry editam “Grace and Error on the Edge of Now”

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt