Vodafone Mexefest o festival mais bonito da cidade (dia I)

Foram duas noites de muita música, alegria e animação, numa Avenida da Liberdade mais bonita e acolhedora. Apesar do frio foram muitos os que, tal como nós, se recusaram a ficar em casa e se deslocaram até ao centro da cidade de Lisboa para assistir a um conjunto de mais de 40 concertos em várias salas daquela zona da capital. Fãs do conceito “buffet musical” em que se baseia o festival, e tendo acompanhado as duas primeiras edições (ainda sob o nome Super Bock em Stock), constatamos que cada vez chama mais público, o que se por um lado é sempre bom, pois significa uma maior divulgação de música nova com qualidade, por outro lado gera uma maior dificuldade em podermos assistir a todos os concertos que queremos.

Tal como todos os anos tínhamos a lista previamente definida, mas desta vez ficámos de fora de dois que dela faziam parte, mais concretamente de Oh Land (cujo concerto ouvimos mas não vimos) e James Blake, cuja fila para entrar no Teatro Tivoli por pouco chegava ao Marquês de Pombal…exagero? olhem que não… (fica o consolo de o ter visto o ano passado no âmbito de outro festival, mas de verão e à beira do Tejo).

Do que vimos destacamos no primeiro dia Eleanor Friedberge (membro, juntamente com o irmão Matthew, dos Fiery Furnaces) que num concerto bastante concorrido na Casa do Alentejo veio apresentar o seu primeiro trabalho a solo “Last Summer”. Subida a avenida era a vez de assistir ao concerto dos Handsume Furs. O duo, composto pelo casal Alexei Perry e Dan Boeckner (membro dos Wolf Parade), encheu o Teatro Tivoli de música electrizante que não deixou ninguém quieto (nós incluídos!), em particular nas músicas do último disco, “Sound Kapital”.

Atravessada a rua, entrámos sem grande problema na sala II do cinema São Jorge, onde subiam ao palco os Fanfarlo. Sediados em Londres, têm como mentor o músico sueco  Simon Balthazar que durante o concerto comandou os companheiros num desfilar de canções cativantes pontuadas pela utilização do trompete, do violino e do bandolim.  Foi uma alegria!

De regresso ao Tivoli, era a vez dos Junior Boys brilharem com toda a sua força electrizante fazendo do velhinho teatro algo muito diferente da sua função original…toda a gente de pé, numa comunhão pela música onde a dança imperava como rainha e senhora. Discoteca?! Provavelmente! O vocalista e líder Jeremy Greenspan, acompanhado do programador Matt Didemus e por um baterista sempre de headphones (?) correu grande parte da discografia do grupo num concerto cativante, fazendo lembrar o tempos áureos do…disco sound!

O fim da noite/início de madrugada seria passada no palco improvisado da estação de metro dos Restauradores (vá, não estranhem o ano passado foi na Rotunda)! Em cima do palco PAUS, um dos mais cativantes e inovadores projectos musicais nacionais. Ao contrário dos sintetizadores que brilharam nos anteriores concertos, ali era a força das baterias de Joaquim Albergaria (ex-Vicious Five) e Hélio Morais (Linda Martini) que comandava! Temas como “Deixa-me Ser” e “Pelo Pulso” quase deitavam a estação abaixo, tal a força e garra com que foram interpretadas. Para nós, foi claramente o concerto da noite!
Texto: Sandra Pinto
Fotos: Luís Pissarro

You May Also Like

The Catenary Wires editam Til The Morning dia 14 de Junho pela Tapete Records

Stereo Total editam Ah! Quel Cinéma dia 12 de Julho pela Tapete Records

São um dos locais mais apreciados pelos melómanos. Se for este o seu caso, não deixe de conferir aqui 25 lojas de discos que tem mesmo de visitar.

Todos temos uma banda preferida. Ou somos mais apreciadores de um músico. Mas qual seria a nossa banda de sonho? Paul McCartney revela a dele.

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt