Thirty Seconds to Mars em noite feliz em Lisboa

Os Thirty Seconds to Mars regressaram a Lisboa para apresentar ao vivo os temas de “America”, o seu mais recente registo discográfico.

Uma noite de Setembro brindada por temperaturas mais do que amenas serviu de recepção aos Thirty Seconds to Mars neste seu regresso à capital portuguesa. Dentro do Altice Arena a temperatura subia a cada minuto de atraso, no total, 30 ansiosos minutos que puseram os fãs em pulgas sem perceber o que se estava a passar. Só depois de o concerto começar se percebeu o atraso, pois estávamos a ser filmados para um videoclip.

Thirty Seconds to Mars regressaram a Portugal, para apresentar ao vivo os temas de "America", o seu mais recente registo discográfico.

A verdade é que nem o calor nem o atraso esmoreceu o amor e a dedicação dos milhares de fãs que aguardavam pelos irmãos Jared Leto e Shannon Leto.

Nascida dos Estados Unidos, no estado de Louisiana, em 1998, a banda lança o seu primeiro registo discográfico homónimo em 2002, o qual foi produzido pelos dois irmãos. Logo ali ficou talhado o destino dos irmãos rumo ao sucesso.

Bem conhecidos do público português tendo passado já um par de vezes pelo território nacional (três delas nesta mesma sala), os Thirty Seconds to Mars voltaram a não desiludir dando um grande concerto, ou melhor, alteremos a palavra e digamos antes que deram um grande espectáculo pois mais do que música no Altice Arena viveram-se momentos de interação perfeita entre a banda e o seu público.

«Como estão?», pergunta Jared, vocalista e frontman seguido por milhões de fãs em todo o mundo muito por culpa do seu (bom) aspecto físico – 46 anos diz o seu bilhete de identidade, mas a verdade é que mantém o ar de quem tem menos 20…ficamos intrigados sobre qual será o segredo da sua “eterna” juventude… No enorme palco a bateria de Shannon Leto colocada à direita, tendo por vizinho o teclista/baixista Stevie Aiello, de resto um vazio rapidamente preenchido pelas deambulações de Jared que trajando uma espécie de kimono se apresenta com ar de Messias perante os seus seguidores.

Thirty Seconds to Mars regressaram a Portugal, para apresentar ao vivo os temas de "America", o seu mais recente registo discográfico.

Bandeiras ao alto na frente de palco tal como estiveram os corações durante todo o concerto pois foi pura comunhão aquilo que se viveu no Altice. Ao pedido de «cantem comigo», o público não se fez rogado e cantou a plenos pulmões. Percorrendo um alinhamento que a cada nova canção deixava mais felizes os presentes, os Thirty Seconds to Mars estiveram à altura das expectativas dos fãs. Monolith, Up in the Air e Kings and Queens servem de aperitivo para o que viria a seguir.

This Is War quase deita abaixo o Altice que ficou em êxtase quando no final do “céu” caiu uma chuva e enormes e coloridos balões. Seguem-se Dangerous Night, do mais recente álbum, From Yesterday, do registo A Beautiful Lie, editado em 2005, Do or Die, integrante de Love, Lust, Faith and Dreams, Love Is Madness e Hail to the Victor.

«Quero agradecer a Portugal por tornar os nossos sonhos uma realidade», fala Leto, dando espaço a Live Like a Dream. Nesta e na seguinte, City of Angels, o intrépido vocalista apela ao público, na primeira para que cante o coro a plenos pulmões, na segunda para que erga os telemóveis iluminando o recinto, desta forma lembrando a tarefa sempre tão bem cumprida pelos isqueiros na década de 80.

Rescue Me é cantada com alguns fãs já em cima do palco, duas raparigas que encheram Jared de beijos e dois rapazes, um deles com as letras de algumas músicas da banda tatuadas no corpo! Mas a agitação durante esta canção não se fica por aqui, pois a meio Jared anuncia «batam palmas para o Diogo, o herói cá da terra», dando entrada a Diogo Piçarra.

Thirty Seconds to Mars regressaram a Portugal, para apresentar ao vivo os temas de "America", o seu mais recente registo discográfico.

Com o final a aproximar-se a passos largos, surge primeiro Hurricane, seguida de Remedy em formato acústico, interpretada por Shannon, logo seguida de The Kill (Bury Me). Para o fim, Jared pede aos fãs que subam ao palco. Estes, sem mais demoras sobem às dezenas para lá de cima ajudar a cantar a derradeira canção da noite, Closer to the Edge.

Algures durante o concerto Jared revela que adora Lisboa, «eu e o meu irmão não esquecemos que foi aqui, neste mesmo lugar, que esgotámos o nosso primeiro grande concerto! Por isso, estamos eternamente gratos! Obrigado Lisboa». Palavras certeiras direccionadas ao coração dos fãs que sairam em perfeito êxtase de um Altice Arena mais uma vez rendido aos (muitos) encantos dos irmãos Leto.

Texto: Sandra Pinto
Fotos: Luís Pissarro

You May Also Like

As 15 melhores músicas de 2018 by Filipa Moreno

WoodRock Festival anuncia 7.ª edição

Festival Laurus Nobilis 2019 apresenta cartaz

IDLES no Lisboa ao Vivo e a luta continua