Stereo Total editam Ah! Quel Cinéma dia 12 de Julho pela Tapete Records

Um título de álbum com não um, mas dois pontos de exclamação, prepara o ouvinte para músicas como “Cinemascope”. Temas como lesões pessoais (“Ich bin cool”), traição (“Mes copines”), deficiências de personalidade provocadas pelo abuso de drogas (“Methedrine”), raiva (“Hass-Satellit”) opiniões inflamadas de si próprio (“Brezel says”), suicídio (“Le Spleen”), luto (“Dancing with a memory”) e almas atormentadas (“Elektroschocktherapie”) são apresentados em formato panorâmico e, muitas vezes, da forma mais divertida possível.

Françoise Cactus aparentemente disse uma vez sobre si mesma: “I am a linguistic artista who can live with the laughs”. O que realmente diz tudo, embora a propensão de Stereo Total para o jogo de palavras não esteja em evidência em todas as letras deste álbum. Muitas faixas ecoam às músicas mais sombrias e desesperadas que ela escreveu para a sua primeira banda, Les Lolitas. No entanto, o humor anárquico que temos vindo a associar a Stereo Total ressurge em composições como “Keine Musik” e “Einfach”.

Musicalmente, este disco de Stereo Total, o seu décimo segundo, não pode ser facilmente alinhado com qualquer coisa. Se álbuns anteriores ressoaram com influências de chanson, trash, disco para punk, rock’n’roll e NDW (New Wave alemão), Stereo Total chegaram agora com o seu próprio universo musical que não dá atenção a dispositivos estilísticos, que lembram “rien de tout ”. O que podemos dizer: Françoise Cactus destaca-se na arte da gravação de 8 faixas, criando uma experiência sonora extraordinária. Brezel Göring baseia-se na sua gama preferida de instrumentos mais propensos a serem encontrados nas mãos de crianças em lares onde uma educação musical não está na agenda: órgão de plástico de bébé e um piano terrível, acompanhado por guitarras caseiras coladas não por artesãos talentosos.

Stereo Total continuam a fazer música eletrónica com sons dum Casio duma feira em segunda mão que voam em face do que geralmente é aceite como música eletrónica. Cada instrumento musical provavelmente poderia ser traduzido em coordenadas sociais e, nesse sentido, as ferramentas do comércio de Stereo Total falam uma linguagem inequívoca.

Stereo Total continuam a tocar música de rock de garagem LoFi que goza com todos os clichés masculinos associados às guitarras. Quando Françoise Cactus toca bateria, os ritmos do feminismo, anti-profissionalismo e diletantismo subversivo vêm à tona.

You May Also Like

MGLA no RCA Club. O nevoeiro chegou a Lisboa…

Super Nova regressa para a 6.ª edição com a Super Bock

Loosense lançam novo vídeo “Flamingo” em antecipação ao disco Saloon

Aborted estão de regresso a Portugal

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt