Os Bad Religion chegam no dia 14 de maio a Lisboa. Vamos todos celebrar mais de 40 anos de música

«No ano de 1979 nascia em Los Angeles, na Califórnia, uma banda que viria a marcar a história da música norte-americana, em primeiro lugar, e mundial, logo de seguida. Dão pelo nome de Bad Religion e vão estar no dia 14 em Lisboa para um concerto, que se espera, memorável.»

Desde o primeiro momento sem papas na língua, os Bad Religion têm defendido com garra valores como a verdade, a liberdade, a igualdade, e a tolerância. Com “Age Of Unreason”, o seu 17º disco de estúdio, reflete exatamente isso, numa altura em que a banda «acredita que tudo isto está em risco».

A história dos Bad Religion é feita de muitas estórias. Desde os primórdios em que um grupo de adolescentes com menos de 17 anos se reuniu na garagem do vocalista Greg Graffin em San Fernando Valley apelidada de “The Hell Hole” até ser cabeça de cartaz dos principais festivais de música em todo o mundo. A verdade, é que a trajetória da banda impactou a evolução e a história de todo o movimento punk. O envolvimento descaradamente político das letras e o hardcore melódico das guitarras distorcidas influenciaram fortemente toda uma geração de músicos.

Bad Religion é um conjunto de ideias que impedem a pessoa de agir por sua contra. Isso pode ser uma religião, um governo autoritário ou diversos outros sistemas, Greg Graffin e Brett Gurewitz, no livro “Do What You Want”

No inicio eram Greg Graffin nos vocais, Brett Gurewitz na guitarra, Jay Bentley no baixo e Jay Ziskrout na bateria. Sobre o nome, Greg Graffin esclareceu já por diversas vezes que «nunca nos posicionámos como ateus, pelo que a religião surge aqui como analogia à opressão, que impede as pessoas de viverem e de se expressarem da maneira que preferirem».

Em 1981, sai o primeiro EP pela Epitaph Records, a editora criada de propósito para lançar a banda. De referir o interregno dessa relação em 1993, quando alguns elementos do coletivo quiseram gravar o oitavo álbum pela gigante Atlantic Records, decisão que levou à saída de Brett Gurewitz (administrador da Epitath Records). Recipe for hate revelou-se um tremendo sucesso comercial para a banda, sobretudo por causa de American Jesus, tema que, na sua gravação original, teve a participação de Eddie Vedder. Seguiram-se Stranger Than Fiction (1994) e The Gray Race (1996).

Gurewitz haveria de regressar alguns anos depois, mais precisamente em 2002, quando os Bad decidiram voltar a lançar pela Epitaph, desta feita o álbum The Process of Belief.

Greg Graffin, Jay Bentley, Brian Baker, Mike Dimkich, Jamie Miller chegam a Lisboa no dia 14 de maio com a Hell Xis Agency.

Mais informações aqui.

You May Also Like

Olivae apresenta “Perto”, o seu novo álbum

Tindersticks no Coliseu de Lisboa. A elegância intemporal das boas canções

Eigreen lançam disco de estreia

Tio Rex apresenta novo vídeo

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt