O cartaz deste ano do Milhões de Festa fecha com performance, concertos participativos, festas silenciosas, com glitter e que revisitam a etnografia local, feiras e curadorias.

Milhões de Festa para lá da música

O cartaz deste ano do Milhões de Festa fecha com performance, concertos participativos, festas silenciosas, com glitter e que revisitam a etnografia local, feiras e curadorias.

Cumprindo a promessa de trazer novidades de formato e conteúdo, esta décima primeira edição fecha as contas com duas mãos cheias de projectos que prometem abrir uma nova tradição para o festival minhoto.

As Curadorias
A criação em colaboração sai reforçada nesta edição do Milhões de Festa. Em continuidade, a parceria com o SWR Barroselas Metalfest, dedicada à mostra de bandas nos espectros mais pesados da música, assumida aqui pelos concertos de Nashgul,Greengo, Pé Roto e Ell Granada.

Em estreia, a curadoria da FAT OUT, colectivo de criação de Manchester responsável por algumas das mais turbulentas, intensas e obscuras festas da cidade. Ao Milhões, trazem a Festa da Abelha Gorda, uma celebração em que o mote é “to bee yourself” com a ajuda de muito glitter e das actuações de Croww, Marilyn Misandry, GSY!PA, Hajahh e do Queen Bee Supergroup.

E se de discos se faz também a vida da promotora Lovers & Lollypops, não poderia faltar aqui a parceria com a companheira FAVELA DISCOS, este ano a olhar de fora o Minho, as suas tradições e festas, com a Adega Cooperativa de Marte, os Amigos da Anta, o Psico-Baile e a actuação dos Fação Barulho, banda de post-techno-gaita-de-foles. Haverá ainda o leilão de um presunto vegan.

Festas e mais festas 

Minhoto em genética, o Milhões de Festa não fecha os olhos às tradições do seu território, propondo um plano de festas que, em modo dança, completará a programação de bandas do cartaz. Honras de abertura para a AERÓBICA, a festa que tem vindo a marcar a diferença nas noites portuenses, garantia de total diversão e transpiração.

Porque alguns prazeres da vida são tão simples que acabam esquecidos, o Milhões de Festa proporciona um espaço onde comer divide protagonismo com ouvir, onde o aroma se propaga com a mesma intensidade que o som. É o Taina e o objectivo é aguentar a programação rija com pesadas iguarias locais e uns bons copos de vinho verde. Muito simplesmente: também o Minho é palco no Milhões.
A fechar o festival, o palco Taina transforma-se numa SILENT DISCO, com as actuações a serem transmitidas directamente para os headphones cedidos pela parceira Red Bull.

A cidade será ela também um dos palco do festival. Vaiapraia e As Rainhas do Baile, The Evil Usses, Johnny Hooker e Ensemble Insano são as bandas que, entre sexta e domingo, vão actuar em diferentes espaços de Barcelos.

E porque ser minhoto é também saber comer, o palco Taina vai, pela primeira vez, estar aberto ao almoço. Os concertos só começam à tarde, mas antes de se rumar à piscina, vai ser possível provar alguma da melhor gastronomia e diferentes vinhos locais.

É público? então venha daí

Concebendo o festival como mais do que um espaço musical, o Milhões de Festa 2018 vai estender tentáculos à performance, ao bem-estar e à participação. Serão várias as razões para o público se envolver com os artistas e criadores convidados. Da feira de webzines, BD e discosNECROMANCIA EDITORIAL, às aulas de SuNA Yoga, que se realizarão todos os dias ao longo da tarde, passando por MOTION WITHIN, uma performance de 15 mulheres a bordo do único veículo autorizado para circular no espaço do festival depois da abertura de portas.

You May Also Like

O dia em que perdemos a cabeça, está preparado para tanta emoção?

Dead Can Dance regressam a Lisboa

Festival VOA regressa em 2019

Tool com concerto na Altice Arena

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt