Foi uma das mais controversas figuras do universo musical internacional. Neste seu regresso a Lisboa, Marilyn Manson pouca ou nenhuma controvérsia gerou deixando em muitos a evidência de que o tempo leva tudo, até a possibilidade de ser controverso.

Marilyn Manson e tudo (ou quase) o tempo levou

Foi uma das mais controversas figuras do universo musical internacional. Neste seu regresso a Lisboa, Marilyn Manson pouca ou nenhuma controvérsia gerou deixando em muitos a evidência de que o tempo leva tudo, até a possibilidade de ser controverso.

Foi uma das mais controversas figuras do universo musical internacional. Neste seu regresso a Lisboa, Marilyn Manson pouca ou nenhuma controvérsia gerou deixando em muitos a evidência de que o tempo leva tudo, até a possibilidade de ser controverso.

Casa cheia para receber o homem que mistura no nome uma diva de Hollywood e um dos maiores assassinos da história dos Estados Unidos da América. Personagem controversa, Brian Hugh Warner, de seu nome próprio, ou Marilyn (de Monroe) Manson (de Charles) sobe ao palco do Campo Pequeno naquela que seria a sua sexta vez em território nacional: primeiro no Festival Sudoeste, depois no Festival Super Bock Super Rock, duas no Pavilhão Atlântico, a última das quais em 2007, e depois no Campo Pequeno, em 2009.

Foi uma das mais controversas figuras do universo musical internacional. Neste seu regresso a Lisboa, Marilyn Manson pouca ou nenhuma controvérsia gerou deixando em muitos a evidência de que o tempo leva tudo, até a possibilidade de ser controverso.

Praticamente 10 anos depois, o homem descoberto nos anos 90 por Trent Reznor, dos Nine Inch Nails, o qual produziu o seu disco de estreia, Portrait of an American Family, regressa ao Campo Pequeno sob o pretexto de apresentar o seu mais recente registo discográfico, Heaven Upside Down, com o qual tem vindo a cativar os fãs e a critica.

Foi uma das mais controversas figuras do universo musical internacional. Neste seu regresso a Lisboa, Marilyn Manson pouca ou nenhuma controvérsia gerou deixando em muitos a evidência de que o tempo leva tudo, até a possibilidade de ser controverso.

Pelo meio do alinhamento, Marilyn Manson incluiu os êxitos de uma já longa carreira. Sobressai claramente The Beautiful People durante o qual rebola e gatinha. Difícil mesmo foi o som (nem sempre o melhor e muitas vezes quase sofrível) e manter a adrenalina em alta e constante, muito por culpa do tempo que levava a apresentar a próxima música (pausas a mais matam qualquer relação, verdade?). Mas fã que é fã nem quer saber e o mosh e o crowd surfing lá foram acontecendo de forma quase ininterrupta.

Aos 49 anos de idade, Manson ainda consegue povoar os sonhos de muitos (e muitas). Com o seu ar provocador, algures entre um dandy maléfico e um demónio sanguinário, faz, com o simples apontar de um dedo, com que muitos obedeçam às suas ordens, como em Kill4Me, quando comanda que algumas fãs (uma de seios nus) subam ao palco numa clara referência ao vídeo onde o protagonista era o actor/cantor Johnny Depp.

Foi uma das mais controversas figuras do universo musical internacional. Neste seu regresso a Lisboa, Marilyn Manson pouca ou nenhuma controvérsia gerou deixando em muitos a evidência de que o tempo leva tudo, até a possibilidade de ser controverso.

Religiosamente guardada para a reta final do concerto Sweet Dreams (Are Made of This), versão do original editado pelos Eurythmics em 1983 e que Manson integrou no álbum Smells Like Children, de 1995, fez as delícias da plateia que, não se fazendo rogada, acompanhou em uníssono o refrão sobejamente conhecido.

Muito fumo, algumas penas, mas pouca surpresa num espectáculo que agradou a muitos e deixou outros com um ligeiro travo amargo na boca muito pelo pouco tempo de concerto.

Texto: Sandra Pinto
Fotos de Nuno Conceição/Everything is New

You May Also Like

Robert Forster, fundador dos The Go-Betweens, edita disco a solo

Cosmic Mass editam disco de estreia “Vice Blooms”

Cabo da Boa Esperança dos Galo Cant’Às Duas chega às lojas em Janeiro

Grand Sun encerram 2018 com novo videoclip para “Little Mouse”

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt