Para lá de Varekai do Cirque du Soleil

É um dos mais comoventes e belos espetáculos da companhia canadiana Cirque du Soleil . Numa misteriosa floresta no interior de um vulcão, habitada por criaturas, existe um extraordinário mundo; um lugar onde tudo é possível chamado Varekai. Numa homenagem ao espírito nómada, à alma e à arte da tradição do circo, Varekai fascina com a sua história, as danças e os figurinos.

Aquando da sua passagem por Lisboa, a LOOK mag teve a oportunidade de visitar os bastidores desta produção trazida a Portugal pela promotora Everything Is New. O enorme trabalho desenvolvido antes da abertura do pano, revela uma equipa de profissionais dedicado. Sem eles, Varekai não seria aquilo que depois o público vê no palco do MEO Arena.

«When we are on tour this is our family», Julie Desmarais, responsável pela divulgação da tour

O palco demora 12 horas a montar e é transportado em 22 camiões e um ginásio completo acompanha a tour para que os artistas possam treinar e aquecer antes do espetáculo. Aliás, os acrobatas seguem regimes de treino individuais sempre acompanhados por treinadores, médicos e fisioterapeutas.

Os fatos de lycra usados pelos acrobatas são uma criação da designer japonesa Eiko Ishioka.

São 100 os elementos que integram a tour Varekai estando ali representadas 21 nacionalidades, incluindo um português incluído. 50 acrobatas e músicos e os restantes integram a equipa de apoio, pelo que integram médicos, fisioterapeutas, treinadores, costureiras e técnicos de audiovisuais.

E eis que sobe o pano

A percorrer o mundo desde 1984, o Cirque du Soleil trouxe a Lisboa o espetáculo fabulosos que é o Varekai. À semelhança dos outros espetáculos, dois anos foi o tempo que demorou a ser criado, desenhado e realizado.

Varekai-LOOKmag_pt (01)

Varekai-LOOKmag_pt (02)

Varekai-LOOKmag_pt (03)

Varekai-LOOKmag_pt (04)

Varekai-LOOKmag_pt (05)

Varekai-LOOKmag_pt (06)

Varekai significa “seja onde for”, em romani, e a história é sobre o jovem Icarus que, depois de perder as asas, cai dos céus para se apaixonar por uma princesa que é raptada.

Varekai-LOOKmag_pt (07)

Varekai-LOOKmag_pt (08)

Varekai-LOOKmag_pt (09)

Varekai-LOOKmag_pt (10)

Varekai-LOOKmag_pt (11)

Varekai-LOOKmag_pt (12)

Texto: Sandra Pinto
Fotos: Joaquim Machado

You May Also Like

Termine e comece o ano com gargalhadas no SOLRIR

Tantas Palavras: a vida e a palavra de Chico Buarque

Teatro Nacional D. Maria II acolhe Quartett

Sabores de Natal chegam à baixa de Lisboa