Holy Nothing apresenta Plural, a primeira parte do novo álbum

Depois do sucesso de “Hypertext” e dos dois singles “Speed of Sound” e “Underdog”, os Holy Nothing regressam com um novo trabalho de longa duração que se divide em três partes. A primeira parte é “Plural”, três músicas a visitar sonoridades mais tropicais, pouco abordadas pelos Holy Nothing até aqui e com colaborações com BaianaSystem, Barbatuques e o saxofonista João Guimarães.

“Plural” é uma viagem ao hemisfério sul, do outro lado do Atlântico. Canções que utilizam simultaneamente o inglês e o português, numa descoberta da música mais tradicional do Brasil e da sua emergente música independente. Esta primeira viagem está também ela dividida em três: “Cheiro Verde”, rework da música homónima dos Barbatuques e que conta com a colaboração de João Guimarães, da Orquestra de Jazz de Matosinhos, “Ruído”, primeiro single que conta com a colaboração dos BaianaSystem e ainda “Tropigal”.

“Plural, Real, Animal”, álbum que sairá no último trimestre de 2019, será uma a narrativa repartida em três capítulos. Três fragmentos de uma mesma história, que descreve um período de intensa composição da banda, entre a construção, destruição e reconstrução. Três capítulos que serão apresentados em três momentos distintos. Cada um com uma identidade própria, cada um abraçando uma geografia específica e que no final serão agrupados para formar um álbum e permitir uma quarta interpretação por parte do ouvinte.

You May Also Like

The Catenary Wires editam Til The Morning dia 14 de Junho pela Tapete Records

Stereo Total editam Ah! Quel Cinéma dia 12 de Julho pela Tapete Records

São um dos locais mais apreciados pelos melómanos. Se for este o seu caso, não deixe de conferir aqui 25 lojas de discos que tem mesmo de visitar.

Todos temos uma banda preferida. Ou somos mais apreciadores de um músico. Mas qual seria a nossa banda de sonho? Paul McCartney revela a dele.

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt