GNR celebram 35 anos de um “Voo Fantástico” no Casino Estoril

GNR celebram 35 anos de um “Voo Fantástico” no Casino Estoril

Numa noite recheada de emoções, os GNR subiram subiu ao palco do Salão Preto e Prata dando início ao espetáculo com o tema “Bem-vindo ao passado”.

_MG_1781

_MG_1783

_MG_1826

_MG_1838

Na realidade a viagem foi única e memorável tendo sido percorrida através de um alinhamento totalmente dedicado aos maiores êxitos dos GNR e do qual se destacaram “Efectivamente”, “Caixa Negra”, ”Cadeira Eletrica”, “Ana Lee”, entre outros que fizeram parte da primeira parte do espetáculo.

Com “Dançar Sós” o público acorda e embala com palmas a “sua” banda enquanto que, em dueto, Rui Reininho partilha o palco com Rita Redshoes, um das convidadas da noite. Aqui percebe-se como os GNR também sabem fazer boas baladas.

_MG_1841

_MG_1848

_MG_8759

_MG_8818

O entusiasmo do público ansiava por mais e a banda, não se fazendo rogada, deu tudo. No alinhamento seguiram-se “Asas”, “Vocês”, “Valsa dos Detectives”, “Sete Naves”, “Impressões Digitais”, “Nova Gente” e “Morte ao Sol”.

Chegada a hora da segunda dos três convidados desta noite especial, Isabel Silvestre sobe ao palco para brindar o público com “Santa Combinha” e, em dueto, com Reininho, cantar a “Pronuncia do Norte”. O Salão Preto e Prata fica de pé e as vozes do público acompanham os artistas.

_MG_8844

_MG_8852

_MG_8858

_MG_8869

Imparáveis, os GNR chamam ao palco o último convidado, o cantor Javier Andreau. “Sangue Oculto”, deixou o público ao rubro, o mesmo acontecendo com “Ao Fugir da Própria Vida”, que interpretado em dueto recebeu renovados os aplausos da audiência.

Toli César Machado, na guitarra e nas teclas, Jorge Romão, no baixo, e Rui Reininho, na voz conseguiram trazer uma emoção e aura de forte saudade a uma noite que ninguém vai certamente esquecer.

_MG_8876

_MG_8913

_MG_8956

CH1P9271

“Dunas”, cantada pelo público, dava indicações de que o fim estava a chegar. Como ninguém quisesse que tal acontecesse, a banda regressa uma e outra vez, para, num ritmo estonteante, interpretar “Só Mais Uma Vez”, “Mais Vale Nunca Mais Crescer”, ”Telefone Máquina”, e, por fim, ”Quero Que Vá Tudo Pró Inferno”, tema original de Roberto Carlos, cantado com todos em cima do palco, banda e convidados.

Texto: Maria José Santos
Fotos: Fotos: Joaquim Machado

You May Also Like

À conversa com Selma Uamusse

Time For T revela primeiro single de EP composto e gravado durante a quarentena

O festival Que Jazz É Este? assinala em 2020 a sua oitava edição

À conversa com Norton sobre Heavy Light

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt