“Foge-se em grupo porque assim se foge melhor” de Luísa Abreu

“Foge-se em grupo porque assim se foge melhor” é a exposição da artista plástica Luísa Abreu que vai estar na SALA 117.

A mostra reúne trabalhos dos últimos quatro anos da artista, que tem vindo a desenvolver uma prática multidisciplinar, que se concentra nas possibilidades distintas de relacionamento entre conjuntos precários.

«Existem conjuntos tanto estáticos como dinâmicos, que se acumulam verticalmente ou como uma massa rasa que circula e se transforma consoante o motivo. Podem formar-se conjuntos amontoando-se de forma tão compacta quanto possível. Quanto maior e mais denso, será melhor para um ou mais, significando que se trouxe de longe para mais perto e que se concentraram, por vezes, esforços de muitos. Pode significar o esforço continuado de muitos. Pode significar o esforço continuado de um. Assim, nesta exposição encontram-se questões identitárias sobre a existência em grupo nas diferentes relações entre ser uno e ser múltiplo. A areia é constituída pela pequenez e homogeneidade das suas partes. É interminável e existe sempre mais do que se pode agarrar. É avassaladora onde é mais infinita, como no deserto», Luísa Abreu

Nestes trabalhos de Luísa Abreu, apresentam-se hipóteses de existência em grupo em perigo iminente de ruína ou rotura, que forjam alguma estabilidade, mas sendo todos, no entanto, frágeis, indecisos e redundantes. “Foge-se em grupo porque assim se foge melhor” é, assim, um grupo heterogéneo de obras, existindo nele relações de diferença e semelhança entre as obras apresentadas.

Sobre Luísa Abreu

Nascida em Amarante em 1988, Luísa Abreu vive e trabalha na cidade do Porto. Licenciada em 2011 pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto em Artes Plásticas Multimédia, terminou o último ano ao abrigo do programa Erasmus na Hochschule für Bildende Künste Dresden, na Alemanha, tendo concluído o Mestrado em Artes Plásticas pela Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha. Integra actualmente o colectivo Rua do Sol 172, tendo exposto individualmente em espaços como a Fundação Júlio Resende, em Gondomar, ou o Hotel Madrid, nas Caldas da Rainha. Marcou ainda presença em diversas exposições colectivas.

“Foge-se em grupo porque assim se foge melhor”
Até 29 de abril
SALA 117
Rua Damião de Góis
Porto

You May Also Like

Poesia Completa de Maria Alberta Menéres

Clube dos Poetas Vivos promove encontro semanal online sobre poesia até ao final de Junho

Cinco museus unidos na exposição “Um Mundo de Máscaras”

Festival CriaSons abre candidaturas para o Concurso de Compositores Emergentes

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt