Festival CriaSons apresenta ópera dadaísta MANIFESTO NaDa, de António de Sousa Dias

António de Sousa Dias, músico, professor e investigador, apresenta assim Manifesto NaDa, uma «ópera-manifesto contra e a favor de tudo, e decididamente sobre nada»’.

Bebendo inspiração no irreverente e disruptivo movimento DADA, que no início do século XX inspirou inúmeros artistas e coletivos de vanguarda, Sousa Dias cria um espetáculo que rompe com os cânones e dá largas à ousadia.

Em Manifesto NaDa, onde a lógica não é regra, o compositor propõe uma viagem possível pelo universo estabelecido pelo nome maior do dadaísmo, Tristan Tzara, e fá-lo com uma música e performance que criam uma linha ténue entre o surreal e o verdadeiro.

A atitude provocatória de desconstrução e negação de todas as convenções culturais, sociais, morais, estéticas e linguísticas, assim como o caldeirão de referências e inspirações musicais de António de Sousa Dias, a começar por Constança Capdeville (de quem foi aluno e colaborador), mas também John Cage, Sun Ra, Scott Joplin ou Tom Waits, fundem-se em Manifesto NaDa criando danças grotescas e discursos desconexos, ora melódicos, ora brados. Em suma, esta é uma proposta narrativa que continua a ecoar e a fazer sentido nos dias que correm, traduzida num grito desesperado e urgente que quer derrubar os padrões do mundo atual.

Em palco, aos três intérpretes – o barítono Rui Baeta e as sopranos Joana Manuel e Célia Teixeira -, que tanto oscilam pelo palco como balbuciam frases monocórdicas e sem nexo, junta-se o ensemble composto por Fábio Oliveira (trompete), Philippe Trovão (sax tenor), Guilherme Reis (contrabaixo) e pelo próprio António de Sousa Dias (eletrónica).

O programa conta com a encenação de Alexandre Lyra Leite, que faz sobressair um lado mordaz e cómico desta ópera dadaísta, e com a direção artística do maestro Brian MacKay, coadjuvado pelo painel de Compositores Residentes do Festival CriaSons.

SOBRE ANTÓNIO DE SOUSA DIAS
Compositor, artista multimédia, professor e investigador, António de Sousa Dias é doutorado em Estética, Ciências e Tecnologias das Artes – Música e diplomado com o Curso Superior de Composição. É autor de obras explorando diversas formações e géneros bem como de música para filmes. A performance e o teatro musical também desempenham um papel importante no seu percurso, a partir da colaboração com os grupos ColecViva, Grupo Música Nova e Les Phonogénistes. Atualmente, o multimédia, a instalação e a criação visual encontram-se nos seus focos de interesse, assim como a recuperação de obras musicais (através de transcodificação ou transferência tecnológica). É professor associado na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa.

Manifesto NaDA
30 de novembro
Teatro Aberto
21h30
Bilhetes: 17€ (normal), 8,50€ (jovens até aos 25 anos), 13,60€ (séniores < 65 anos). À venda na BOL e na bilheteira do Teatro Aberto.

You May Also Like

Festival Política chega a Coimbra já em fevereiro

NECRØ estreia DEATH BEATS, o primeiro single do novo projecto de João Vairinhos e Sara Inglês

Tara Perdida estão de volta com Vida Punk

Graveyard em Portugal no 28 de maio

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt