Color Field, de João Feijó

Movimento artístico nascido na Rússia por volta do ano de 1913, “Color Field” viria a ganhar maior expressão bem mais longe, nos Estados Unidos da América, com a chegada de diversos artistas russos ligados ao movimento logo depois do terminar da Primeira Guerra Mundial.

Para os especialistas “Color Field” surge como uma narrativa alternativa, onde os artistas são convidados a explorar ao limite a sua própria criatividade.
À pergunta de onde vem essa criatividade, qual a sua fonte de inspiração chegámos à resposta que do próprio ato de pintar, de todo o processo de preencher a tela, ao qual se junta a forte e poderosa carga emocional que desse próprio processo advém.

João Feijó sentiu a atração e a influência desta corrente, admirando dois dos seus maiores representantes, Mark Rothko e Zao Wou Ki.

As obras que João Feijó agora nos mostra demonstram a sua eximia qualidade ao trazer uma técnica de trabalhar a aguarela nova e pouco explorada.

Color Field, de João Feijó
Centro Cultural Palácio do Egipto
De 17 de janeiro até 24 de Março
Rua Álvaro António dos Santos
2780-182 Oeiras
Horário: de terça-feira a domingo das 12h00 às 18h00
Entrada: 2 euros (1 euro pessoas com mais 13 e menos de 25 anos e grupos com mais de três pessoas; 0,50 euros para grupos com mais de 10 pessoas)
Tel. 214 408 391
http://www.cm-oeiras.pt/

You May Also Like

Clube dos Poetas Vivos promove encontro semanal online sobre poesia até ao final de Junho

Cinco museus unidos na exposição “Um Mundo de Máscaras”

Festival CriaSons abre candidaturas para o Concurso de Compositores Emergentes

Grupo Porto Editora “abre aspas” a conversas em direto entre autores

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt