A nossa experiência no Embaixador Hotel

Quem passa à sua porta não imagina que por detrás dela se esconde um dos mais antigos hotéis de Lisboa. Na verdade, nascido na década de 50, cerca de 1954, o Embaixador Hotel tem vindo a receber gerações de turistas que chegam à capital portuguesa em negócios ou lazer.

É na segunda opção que nos inserimos. Chovia, na verdade mais parecia o dilúvio que se abatia naquele sábado sobre Lisboa. Nada que nos impedisse de rumar até ao número 73 da Avenida Duque de Loulé.

Recentemente remodelado, o Embaixador Hotel surge agora de cara lavada. Mas não se pense que o processo se limitou a um simples lifting da fachada ou da decoração, pois a remodelação foi bem mais profunda incidindo em todos os aspetos da unidade hoteleira que acolhe agora 80 quartos. Desde a canalização, até ao sistema elétrico, passando pelo design de interiores, nada ficou como antes.

Chegámos lá por volta das 17 horas, mas o escuro característico da noite já tinha caído sobre a cidade. Num primeiro contato foram as cores do lobby que nos chamaram a atenção, isto para não falarmos nas cadeiras literalmente coladas na parede e no vintage quadro de ardósia onde diariamente são dadas as boas-vindas nas mais diversas línguas, informadas as condições meteorológicas e sugerida uma ou outra atividade cultural.

Comodamente instalados era tempo de partir à descoberta do hotel que ficou famoso pelos muito concorridos bailes que ali aconteceram no decurso das décadas de 50 e 60 do século XX.

A decoração, da responsabilidade de Filipa Lacerda Interiores, baseia-se na cor e na sua interação quando se atravessam os espaços. Assim podemos subir no elevador laranja e descer no azul; na altura do check-in podemos optar por ficar no piso verde, no lilás, no azul ou no amarelo, tudo dependendo do gosto de cada um.

Por entre as novas peças de mobiliário deparamo-nos com outras recuperadas, como as cadeiras do bar, os candeeiros anos 60 que iluminam o balcão do mesmo espaço, as banquetas das malas e os cabides de pé que se encontram nos quartos. Peças guardadas durante anos e anos que foram resgatadas das brumas do tempo para ganharem nova vida dando ainda maior riqueza à decoração dos espaços.

Hora de jantar e os nossos passos levaram-nos até ao restaurante do hotel, que localizado no 9.º piso proporciona uma vista ampla sobre a cidade, com o Cristo-Rei e o Castelo de São Jorge a balizarem o campo de visão. Servidos com simpatia optámos por experimentar o bacalhau e o pato, ambos bem confecionados e donos de uma combinação de sabores tipicamente portugueses.

Na altura do check-out ficou a promessa de voltar quando os termómetros acusarem uns graus mais altos e os dias nos fizerem companhia por mais tempo para subirmos até ao terraço no topo do edifício e visitarmos o 360 Lounge, um lounge-bar que, tal como o nome sugere, oferece uma vista de 360 graus sobre a cidade de Lisboa.

Até lá ficam as lembranças de um fim-de-semana bem passado no Embaixador Hotel.

www.embaixadorhotel.com/pt
http://www.facebook.com/pages/Hotel-Embaixador-Lisboa/102207463160177
Artigo disponível (sem necessidade de Adobe Flash Player) em: http://look-mag.com/2012/12/02/a-nossa-experiencia-no-embaixador-hotel/

Texto: Sandra Pinto
Fotos: Luís Pissarro

You May Also Like

Aqua Village Health Resort & Spa reabre a 19 de Junho

Portões do Vila Valverde Design Hotel voltam a abrir

Quinta dos Perfumes reabre portas a 5 de Junho

Grupo de Facebook Portugal: o destino IDEAL! promove hotelaria nacional

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt