À conversa com Luís Salgado sobre SoundFlower Fest 2020

Vem aí um novo festival. Para ficarmos a saber o que vai ser exactamente o SoundFlower Fest, falámos com o seu mentor, Luís Salgado, da Amazing Events, promotora responsável pelo evento.

Por: Sandra Pinto

Como nasceu a ideia de fazer este festival?
O SoundFlower Fest nasce primeiro da ideia de devolver a Valada um novo festival, fui frequentador do Reverence e adorei o local. Em segundo de ter mais junto a Lisboa um festival dedicado a uma sonoridade diferente mais indie e que seja um conceito não de massas, mas mais de verdadeiros fãs de música e festivais de Verão. Por último, uma necessidade pessoal de querer trabalhar com outros géneros musicais com os quais também me identifico, como o indie rock.

Onde vai ele realizar-se?
Vai realizar-se no Parque de Merendas de Valada, no Cartaxo e na sua zona envolvente mesmo junto ao rio Tejo, a pouco mais de 40 minutos de Lisboa.

Será uma continuação do Reverence?
No sentido do conceito musical será diferente, mas talvez uma continuação daquele espírito de liberdade e amor à música e à natureza.

Porquê o nome de SoundFlower?
Queríamos um nome que significasse, amor à música, amor à natureza e amor à alegria de viver. Imaginámos uma espécie de flor musical que segue a luz, daí SoundFlower.

Qual a filosofia em que assenta o evento?
Acima de tudo, no bem-estar, no conforto, na sustentabilidade, na qualidade das actuações ao vivo, e na liberdade, assentes no slogan “Time To Bee”. Time to bee free, time to bee happy, time to bee fun! Uma experiência única em festivais de Verão.

Relativamente ao género de música, está ele pré-definido ou nem por isso?
Temos um género definido que é a boa onda! Teremos várias zonas musicais, uma dedicada à música electrónica, outra aos valores nacionais de géneros mais tradicionais como o fado e o folk, o palco principal que terá desde soul ao psych rock, muito rock´n´roll e muito funk, e depois uma zona mais jazzística e com abertura para jam sessions.

Em que moldes se vai desenrolar o festival?
O festival em si será muito eclético, dinâmico e, acima de tudo, será uma experiência diferente em que nem todas as actividades serão musicais. Será como entrar noutra dimensão por dois dias! Muita cor, muita luz, muita arte!
Estamos a desenvolver o conceito visual do festival com o colectivo 2UPLA e mais artistas vão-se juntar ao projecto, pois ele será algo muito visual também!

Já podes avançar o número de palcos?
Haverá quatro zonas musicais: o palco principal, com artistas conceituados nacionais e internacionais ( já anunciados os Temples); uma zona Chil´Dance que, como o nome indica, irá alternar entre os momentos de relax e os momentos de dança; o Tasquinha Court, um local onde iremos recriar um ambiente de “tasca” portuguesa com muita e boa música portuguesa; e a zona de jazz e jam sessions, onde o próprio público pode fazer parte e tocar o instrumento que sabe em jam com outros músicos.

Durante quantos dias?
O festival terá a duração de dois dias, 4 e 5 de Setembro.

Relativamente a nomes avançaram com os Temples. Teremos mais novidades para breve?
Vivemos uma altura conturbada, o nosso plano não contava com esta situação, mas queremos ser pró-activos e ter e trazer esperança a todos, por isso sim, vamos ter novidades em breve!

Bandas portuguesas também vão integrar o alinhamento do festival?
Sem dúvida! Quem conhece a Amazing Events, sabe que o nosso trabalho passa por apoiar sempre projectos nacionais. Haverá bandas portuguesas no palco principal e em todas as outras zonas, sendo que uma delas é exclusivamente programada com artistas lusófonos.

Sobre aspectos mais práticos, vai haver campismo e todos os serviços de apoio, como alimentação?
Sim a zona de campismo é um dos grandes postais do recinto do SoundFlower. É ampla, completamente coberta de árvores, e claro iremos instalar todos os apoios ao campista (wc,s chuveiros, mercado, comida,e actividades) e é 100% grátis!

Quais as vossas expectativas sobre esta primeira edição do SoundFlower Fest?
Acima de tudo queremos que seja uma edição divertida e memorável, não estamos a olhar a números, estamos preocupados em criar uma experiência diferente, única e alegre, que é isso que todos queremos neste momento: alegria e boas vibes!

Já se podem comprar os bilhetes? Se sim, onde e quais os valores?
Sim já se podem comprar os bilhetes. O valor diário é de 39 euros e o passe de dois dias é 59 euros. Com campismo grátis e acesso a todos os concertos e actividades do local.

Sobre a situação que estamos a viver, de que forma encaras o seu impacto junto do sector da música?
Acho que é uma situação muito grave para o sector, porque é dos sectores que vive mais da união e comunhão das pessoas. Sem público não existe vida em palco, não existe bandas nem festivais, portanto toda esta situação é alarmante.
No entanto, também sei que o que as pessoas procuram mais na vida são experiências alegres e que as façam sentir bem, e nisso a música é 100% eficaz.
Por isso, mesmo em isolamento surgiram iniciativas musicais, como os concertos em casa. Tenho a certeza que a primeira coisa que vamos procurar depois desta quarentena será música, e nós (promotores e músicos em geral) estaremos cá para vos dar isso. Juntos Vamos Superar!

You May Also Like

À conversa com Daniel Makosch

À conversa com Pedro Vindeirinho

À conversa com Pedro de Tróia

À conversa com Mancines

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt