Noite (de ressaca eleitoral) com Andrew Bird

De fato e camisa branca, Andrew Bird sobe ao palco do CCB para mais uma noite de Misty Fest. Enverga traje a rigor, clássico a combinar com o espaço. Mas rompe convenções quando dança de forma estranha e assobia as suas canções, logo desde o início. Afinal, o fato é composto por umas calças axadrezadas, desafiadoras de tradições. O cabelo vem despenteado. Não parece haver uma caixa onde Andrew Bird caiba. Não é o alternativo típico, nem o clássico confortável. É um tipo de fato a assobiar no palco do CCB.

Conhecido do público português e da cidade de Lisboa, que o recebeu durante algum tempo e a quem Andrew Bird retribuiu com músicas nela inspirada, o músico mostra-se em casa. Não resiste mesmo a atirar-se a uma rendition de “Estranha Forma de Vida”, numa interpretação muito livre do fado de Amália, com a inseparável combinação violino-assobio. Perdoamos e até agradecemos, porque nós, portugueses, gostamos de quem nos fala ao coração com estes aconchegos.

Durante o concerto, vemos Andrew Bird construir a música, camada por camada. Do violino arranca bases para as músicas, que vai gravando nos pedal loops. Junta-lhes guitarra e voz. Assobios, sempre.

Traz-nos “Capsized” na abertura, fazendo do violino uma guitarra, dedilhando acordes. O primeiro cumprimento que nos faz, de viva voz, define o tom para a noite: “It’s been a bad day”. Andrew Bird falava do resultado das presidenciais americanas, chocado, triste, inconformado. Com um “funny feeling”, como diz, neste concerto de Lisboa que é a última paragem antes de actuar na Cidade do México. Parece apropriado, agora que Trump será presidente dos Estados Unidos – ele que foi o candidato dos muros para impedir a imigração mexicana, pretensamente pago pelos próprios mexicanos.
“Love of hate acts as an axis/ Love of hate acts as an axis/ First it wanes and then it waxes/ So procreate and pay your taxes”. “Tenuousness” é a música que se segue, nem de propósito. Foi escrita em Lisboa e que também soa aos bairros velhos da capital. Com “Why”, o songwriter mostra-se mais divertido enquanto discorre a letra em forma de perguntas retóricas a uma segunda parte ausente.

As referências a Trump sucedem-se e o músico confessa mesmo estar a actualizar a canção escrita a propósito da reeleição de George W. Bush, em 2007. “Sic of Elephants” é agora dedicada ao novo presidente americano.

Traz-nos “Saints Preservus” e ainda “Left Handed Kisses”, as duas do disco que saiu este ano. Gravada com Fiona Apple, “Left Handed Kisses é aqui apresentada a solo. Ou num dueto consigo próprio, como explica Andrew Bird. De um lado do microfone, uma das vozes. Do outro lado da esquizofrenia, a segunda personagem. No que à música diz respeito, parece que estamos dentro de um filme protagonizado por Zooey Deschanel e em termos de sonoridade é descrição que basta.

“Roma Fade” faz-se sentir com uma adesão imediata do público. Foi o single de avanço do disco de 2016 e inaugura a fase final desta noite com Andrew Bird. Não acaba sem que se oiçam “Three White Horses”, “Pulaski” e “Give it Away”. No encore, há ainda espaço para interpreter “Oh Sister”, em homenagem a Bob Dylan.

Termina com uma música que, como diz, há muito que não era tocada. Mas é apropriada a esta noite. Afinal, “Tables and Chairs” fala de um tempo que as instituições financeiras e as moedas desaparecem. “Don’t you worry about the atmosphere or any sudden pressure change” (…) things are starting to get strange”.

A primeira parte da noite esteve a cargo de Momo. Cantando suavemente na língua que é a de todos nós, foi discorrendo breves canções à guitarra, acompanhando de uma bateria ocasional. Na boa tradição dos singer/songwriters, sussurrou palavras ao público. “O tempo é tão bonito sem partida…”, parece-nos ouvir da boca deste brasileiro que chegou a Portugal a convite de Marcelo Camelo e de quem ouviremos falar muito no próximo ano, quando chega o seu disco novo.

Texto: Filipa Moreno

You May Also Like

Aborted e Entombed A.D no RCA Club. O terror está de volta…

Moonspell + Rotting Christ + Silver Dust no Capitólio em noite de celebração

Steve Jones dos Sex Pistols escolhe 12 álbuns essenciais

Quando David Bowie criou uma lista das suas músicas preferidas de… David Bowie

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt