Massive Attack vieram ao Campo Pequeno celebrar e deixar um alerta

“Mezzanine”, a obra maior dos Massive Attack fez anos e a banda veio celebrar a data em Lisboa.

A história começou em Bristol, no Reino Unido, em 1988. Nesse ano os cantores Robert “3D” Del Naja e Grant “Daddy G” Marshall, juntamente com inúmeros músicos, onde se destacava Tricky, gravaram o álbum “Blue Lines”, que viria a ver a luz do dia três anos depois. Com eles surgia um novo género musical, o trip-hop. Retirado desse trabalho, “Unfinished Sympathy”, é ainda um marco dos anos 90, sendo que é por muitos considerada uma das melhores músicas lançadas daquela década.

Campo Pequeno cheio para receber a banda que trazia como principal motivo a celebração do clássico disco de 1998, “Mezzanine”. A emoção era bastante e a expectativa alta. Durante a cerca de hora e meia de concerto a setlist não só trouxe as dez músicas que integram o disco, como foi pontuada por alguns miminhos que deixaram a plateia visivelmente satisfeita, como as versão de “I Found a Reason”, dos Velvet Underground, que deu início ao concerto, “10:15 Saturday night”, dos The Cure, “Bela Lugosi’s Dead”, dos Bauhaus, claramente um dos pontos altos da noite, e “Rockwrok”, dos Ultravox, além de uma versão de “Levels” de Avicii.

Elizabeth Fraser

Além de Robert “3D” Del Naja e Grant “Daddy G” Marshall, no palco esteve a escocesa Elizabeth Fraser (antiga vocalista dos Cocteau Twins) e o jamaicano Horace Andy, vozes marcantes em “Mezzanine”.

Horace Andy

Por detrás dos músicos o cenário composto por ecrãs onde poderosas projecções iam acompanhando as músicas, tendo sido esta a única forma de comunicação pois nunca a banda se dirigiu ao público. Mensagens sociais e politicas acompanham as músicas e chamam a atenção do público para os problemas e injustiças que vão assolando o planeta.

Além da beleza das música dos Massive Attack, retivemos desta noite que o tempo passa, 20 anos não é coisa pouca, e que duas décadas depois é preciso parar e refletir, olhar e analisar, para perceber para onde estamos todos a caminhar. Que mundo é este e que mundo queremos que seja daqui a 20 anos.

Alinhamento
‘I Found a Reason’ (versão dos Velvet Underground)
‘Risingson’
’10:15 Saturday Night’ (versão dos The Cure)
‘Man Next Door’
‘Black Milk’
‘Mezzanine’
‘Bela Lugosi’s Dead’ (versão dos Bauhaus)
‘Exchange’
‘See a Man’s Face’ (versão de Horace Andy)
‘Dissolved Girl’
‘Where Have All the Flowers Gone?’ (versão de Pete Seeger)
‘Inertia Creeps’
‘Rockwrok’ (versão dos Ultravox)
‘Angel’
‘Teardrop’
‘Levels’ (versão de Avicii)
‘Group Four’

You May Also Like

Dead Can Dance na Aula Magna e os Deuses cantaram para nós

The Black Keys divulgam novo single. Veja aqui o vídeo de “Go”

Madrugada no Lisboa ao Vivo numa noite de emoções

À conversa com Naked Monks

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt