Emma Ruth Rundle um sonho que ganhou forma no palco da Culturgest

«”Engine Of Hell” é o nome do trabalho discográfico que trouxe Emma Ruth Rundle a uma tour por Portugal. Fomos vê-la à Culturgest e descobrimos uma mulher poderosa, simpática e com um bonito sorriso no rosto. Sentada ao piano ou de guitarra no colo, soube deixar todos em silêncio.»

Texto Sandra Pinto
Fotos Vera Marmelo

Um silêncio que até ela espantou, «vocês são tão gentis», referiu Emma Ruth Rundle, depois de avisar que o concerto teria como alinhamento principal o trabalho “Engine Of Hell”, o seu quinto registo discográfico lançado pelo selo Sargent House a 5 de novembro do ano passado.

Cada tema surge pela voz de Emma como uma camada de austeridade, não deixando nunca de ser íntimo. Em cada palavra cantada há uma inabalável força de consolo, ao mesmo tempo que afasta traumas e tristezas. Se há beleza da tristeza Emma e este disco são disso exemplo. Sobre um fundo negro, são cantadas, quase sussurradas, letras enigmáticas. Cada um de nós que naquela noite se deslocou à sala de concertos lisboeta sentiu-se um privilegiado, pois quase parecia termos entrado à socapa numa espaço que é só de Emma. Aque vos confesso que instantes houve em que me senti a olhar pelo buraco da fechadura para a alma negra de Emma Ruth Rundle, da qual não consegui afastar os olhos.

Ninguém cresce sem dores, e quem afirma o contrário é porque ainda não cresceu. Numa viagem ao passado de Emma sentimo-nos também transportados para o nosso próprio passado, para as cinco décadas durante as quais temos vindo a sofrer dessas dores num processo de crescimento constante que nos vai deixando memórias intensas.

Sair da nossa zona de conforto é saudável. E Emma demonstrou-o bem com este disco e com este concerto. Sair da zona de conforto abre a nossa mente para novas experiências, destrói preconceitos e prepara a alma para novas vivências. Só assim se pode crescer, só assim se pode abraçar na sua amplitude a música e as letras de Emma Ruth Rundle, a quem temos de agradecer por com a sua voz e e seus poemas nos transportar nesta viagem de uma forma tranquila e sem sobressaltos, mas tão preenchida e memorável.

You May Also Like

Brands That Matter: 2022 o regresso da música a Paredes de Coura com a Vodafone

Vagos Metal Fest 2022 Dia I. O regresso mais desejado

Azores Burning Summer, o festival ecofriendly

Festival A Estrada regressa em agosto para a sua segunda edição

error: Conteúdo protegido. Partilhe e divulgue o link com o crédito @lookmag.pt